A teoria FIRO, liderança e desenvolvimento de equipes

Teoria de Firo | Propósito MAIOR

A teoria FIRO é a forma mais simples e assertiva de medir o desempenho comportamental de um membro dentro de uma equipe.

Todo líder precisa compreender, antes de mais nada, as etapas pelas quais sua equipe irá passar e se desenvolver para promover e acelerar o processo – seja de capacidade técnica ou competências comportamentais.

Existem diversos meios, ferramentas e técnicas de fazer essa medição, porém, a maioria é extremamente cara, demorada e por vezes ineficaz.

Will Schutz e a Teoria FIRO

Will Schutz foi um dos precursores dos estudos de comportamento em grupo, com sede no Instituto Esalen, em Big Sur, Califórnia, junto com MaslowPerls e Rogers, considerados pais da psicologia humanista. Schutz criou a teoria FIRO, que explica de maneira simples e humilde as etapas de do desenvolvimento de uma equipe.

Fundamental Interpersonal Relations Orientation
(Orientação Fundamental para Relações Interpessoais)

A teoria ganhou uma técnica para ser colocada em prática para medir como os membros de um grupo se sentem quando se trata de inclusãocontrole e abertura.

William Schutz e a Teoria Firo | Propósito MAIOR
William Schutz e a Teoria Firo | Propósito MAIOR

Inclusão

É nesta fase que as pessoas determinam se são, e se acham que são, um grupo ou integrantes de uma equipe. A ansiedade e introversão podem ser disfarçadas pelo comportamento compensatório.

A necessidade de aceitação e o medo são fortes neste momento. A produtividade mental pode baixar, pois o foco será sobre as próprias necessidades emocionais e preocupações.

O líder do grupo se tornará o ponto de aceitação e orientação. Os integrantes querem se conformar e buscam obedecer. Nesta etapa é importante ter um orientador que seja exemplo.

Controle

Depois que a maioria dos membros já se incluíram inicia-se uma nova fase, a asserção ou controle e afeto. Agora é hora de expressar poderes, ampliar limites e afirmar hierarquia.

Dentro das empresas usa-se, polidamente, a expressão definição de papéis e funções, mas na verdade as palavras são mais bonitas que as ações.

A competição dentro de uma equipe é forte e pode levar ao desempenho individual excepcional – às vezes à custa dos outros. Descobre-se pontos fortes e é comum que haja desequilíbrio entre a alta produtividade da equipe com a coesão comportamental.

O líder será desafiado o tempo todo. Os integrantes precisam descobrir com o que podem não concordar com a liderança antes de estar dispostos a concordar. O bom líder oferece responsabilidade, incentivando os integrantes a aceita-la e, portanto, satisfazer suas necessidades de afirmação.

É importante permitir desafios e não se sentir ameaçado, afirmando a própria autoridade para controlar o processo.

Abertura

Cooperação ou abertura é a etapa onde há um envolvimento maior entre liderança e equipe. Não entenda isso como um mar de rosas, há perigo como nas duas etapas anteriores.

O maior dos riscos é a ênfase excessiva sobre o grupo, que se torna muito confortável e não permite nenhuma dissidência.

Equipes de alta performance preservam essa sensibilidade.

FIRO e hierarquia de necessidades de Maslow

Teoria de Firo | Propósito MAIOR
Teoria de Firo | Propósito MAIOR

Dunga x Tite e a técnica de FIRO

Um bom exemplo para mostrar as etapas de desenvolvimento de uma equipe é a seleção brasileira de futebol.

Dunga era o chefe vertical, top down ao extremo, cheio de medos e arrogância como máscara. Foi péssimo na sua última passagem como treinador da escrete canarinha. Navegou o tempo todo entre a inclusão e e asserção.

Tite mudou a história, uniu o grupo e através da cooperação criou uma equipe. Trata os membros com individualidade para gerar o plural. É o gestor coach.

Turbine a Teoria de FIRO conhecendo os comportamentos observáveis da sua liderança e equipe através do DISC.

Compartilhe!

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

2 respostas

    1. Olá, Eugénia! A pontuação depende do teste disponível, pois o respondente é avaliado de acordo com o questionário ou inventário realizado. Há testes em que é pontuado, mas não é demonstrado por número, apenas categorizado em uma das três dimensões principais. Outros testes podem ser mais completos, inclusive com gráficos e correlações. Muito obrigado pela confiança em nosso trabalho!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *